9.5.06

Hexágono quer nuclear em Portugal

O plano da nossa organização é o seguinte: inviabilizar investimentos na área energética em Portugal para criar a necessidade da utilização de energia nuclear. Hoje foram visíveis os nossos primeiros passos no dossier «Nuclear em Portugal». O Hexágono condicionou o governo a rejeitar a criação de uma nova refinaria no país.
O investimento era de um empresário que também quer a energia nuclear no país. A organização convenceu-o a incluir nas negociações pontos que o governo não poderia suportar. Contamos a médio prazo alcançar os nossos intentos. A acção do Hexágono para criar centrais nucleares em países controlados por nós, estende-se também ao Brasil. A nacionalização petrolífera na Bolívia (despoletada pelos nossos agentes) obriga o país de Lula a construir mais centrais.
O plano está englobado na estratégia do Hexágono para dominar grande parte do mercado energético mundial. Outra vantagem é a possível utilização, pela nossa organização, da energia nuclear como instrumento bélico.

6.5.06

Hexágono no Paquistão

Agentes da nossa organização viajaram para o Paquistão. O objectivo é assegurar a sobrevivência do líder paquistanês, Musharraf. Para além disto, irão tentar também diminuir a influência dos talibãs na região.

A organização receia que haja um atentado que ponha temo à vida de Musharraf. Caso tal aconteça, há um grande perigo do governo daquele país passar a ser constituído por fundamentalistas islâmicos. O problema é que o Paquistão dispõe de armas nucleares, que poderiam ser usadas por poderes inimigos do Hexágono.

Outra missão dos nossos agentes é localizar e eliminar técnicos nucleares paquistaneses que possam vender informações e/ou tecnologia para se poder construir uma bomba atómica. Vamos, a todo o custo, evitar a construção de uma bomba atómica «pan-asiática».

A verdade sobre a questão do petróleo na Bolívia

A opinião pública pensa que a nacionalização dos recursos naturais na Bolívia é originada pelas relações do presidente daquele país, Evo Morales, com os regimes de Cuba e da Venezuela. A verdade é que os nossos agentes infiltrados na América Latina pretendem controlar o petróleo daquele país.
Ao nacionalizar o petróleo, Morales será uma marioneta do Hexágono. O que traz vantagens para os dois lados. O presidente boliviano consegue agradar a Castro e a Chavez e beneficiará da nossa protecção se o diferendo for resolvido na justiça internacional. A nossa organização lucrará com a exploração, se bem que na sombra, dos recursos bolivianos
Ao expulsarmos as multinacionais petrolíferas poderemos assegurar uma enorme fonte de receita e de poder para a organização. Numa altura em que o Hexágono tem dificuldade em penetrar no Irão e na Nigéria, temos de virar as nossas atenções para a América Latina.

Hexágono volta a funcionar

Depois de cinco meses onde imperou a lei da rolha, as notícias sobre a nossa organização vão regressar. Houve uma reestruturação na organização e efectuou-se um estudo sobre a geopolítica internacional. Agora a nossa organização está mais forte do que nunca. Falta pouco tempo para determos a chave da política internacional e dominarmos o mundo.

28.11.05

Ota

O Hexágono considera o aeroporto da Ota uma obra fundamental para a organização. Para além de termos adquirido terrenos na zona do futuro aeroporto, o que irá gerar um enorme lucro, Portugal dotará o Hexágono de uma infra-estrutura fulcral para os nossos intentos.

A obra permitirá um aumento de voos clandestinos, o que vem facilitar a mobilidade dos nossos agentes, dos nossos prisioneiros e de aviões fretados por instituições controladas pelo Hexágono.

21.11.05

Hexágono auxilia CIA

Os centros de detenção ocultos na Europa são edifícios geridos pelo Hexágono. A nossa organização serve-se dos agentes da CIA para obter informações valiosas dos detidos. Só desta forma poderemos ter trunfos para construir a nossa hegemonia no mundo.
De afirmar ainda que em Portugal não existem centros de detenção. Os aviões da CIA que aterraram num aeroporto português transportavam uma mulher que tinha tido relações com Bin Laden. Os altos dirigentes do Hexágono acharam por bem interrogá-la na nossa sede e fazer uma reconstituição do sucedido entre a mulher e o terrorista.

11.11.05

Hexágono defende Ministro da Economia

O Ministro da Economia foi severamente criticado pelos membros da Oposição por se ter ausentado do debate do Orçamento de Estado. O Hexágono tem o dever de referir que Manuel Pinho não abandonou o debate por laxismo ou cobardia. A verdade é que o ministro foi mandatado por Sócrates para explicar aos dirigentes do Hexágono os objectivos do Orçamento. Enquanto o documento era discutido na Assembleia, Pinho explicava aos nossos dirigentes os reais intentos do governo de Sócrates.
A direcção do Hexágono mostrou-se bastante satisfeita com as opções tomadas pelo executivo governamental, visto que todos os desejos da nossa organização forma contemplados.

3.11.05

Cientistas do Hexágono reproduzem vírus da gripe espanhola

Nem só de maquinações maquiavélicas vive o Hexágono. A segurança e a saúde mundial também são uma preocupação da organização. Com o intuito de combater uma possível pandemia de gripe, os nossos cientistas conseguiram recriar em laboratório o vírus da gripe espanhola, que irá ajudar a desenvolver uma vacina eficaz para prevenir um surto gripal à escala planetária.

Obviamente que, apesar de querermos a saúde da população mundial, a posse do vírus da gripe espanhola é uma poderosa arma biológica, dissuasora dos países detractores do Hexágono e que irá aumentar a dependência dos Estados Aliados para com a nossa organização.

27.10.05

Hexágono discute questão Irão

Os dirigentes do Hexágono reuniram-se para deliberar se a organização incentivará uma operação militar contra o Irão. Recorde-se que na questão Iraque, o Hexágono tudo fez para despoletar a guerra. Neste momento, os elementos da cúpula da organização analisam as vantagens e desvantagens de provocar outro conflito no Médio Oriente.
Se por um lado o Hexágono poderia passar a ter um controlo maior na zona do Golfo, por outro receia-se um fracasso militar fruto dos meios gastos no Iraque. A juntar a tudo isto, existe ainda o facto do Irão possuir realmente armas nucleares e poderio bélico, o que poderá afectar todo o mundo ocidentalizado que, como sabem, é a área controlada pelo Hexágono. Dificilmente se chegará a uma conclusão esta semana, visto que deverá prevalecer a tese de estabilizar primeiro o Iraque e avançar para o Irão depois.
No entanto, as declarações do presidente Mahmud Ahmadinejad, constituem o motivo perfeito para o Hexágono começar a mover as suas influências, de modo a provocar um conflito bélico com o governo de Teerão.

26.10.05

Hexágono defende Felgueiras

O Hexágono pretende recompensar o desempenho brioso da agente Fátima Felgueiras (codename: Double F) na operação "Tempestade nas Autárquicas". Para tal, os nossos infiltrados na Justiça já conseguiram anular as provas que poderiam decorrer das escutas telefónicas. Recordo que Double F poderá vir a ser a aposta do Hexágono para o Palácio de Belém em 2011.

21.10.05

PJ ameaça Hexágono

A nossa organização poderá deixar de ser secreta devido às buscas da Polícia Judiciária em várias instituições bancárias portuguesas. O BES, o Millenium BCP e o BPN, parceiros da nossa organização, estão a ser passados a pente fino, existindo a possibilidade de serem descobertos documentos que nos comprometam. Os dirigentes do Hexágono rejeitam alarmismos, visto que têm a certeza que o Ministério da Justiça e o Ministério das Finanças não deixarão avançar as investigações mandatadas pela Direcção Geral dos Impostos, sob pena de perderem o apoio do Hexágono.

17.10.05

Sócrates e Teixeira dos Santos no Hexágono

O primeiro-ministro e o ministro das finanças tiveram uma reunião com os altos dirigentes do Hexágono. A ordem de trabalhos era dedicada sobretudo ao Orçamento de Estado para 2006. Este só poderá avançar caso o Hexágono dê o seu aval, visto que a nossa organização é a principal credora do Estado Português. A proposta do governo português agradou-nos porque irá criar mais descontentamento nos cidadãos portugueses o que, aos poucos, nos permitirá controlar totalmente o país.

12.10.05

Kofi Annan visita instalações do Hexágono

O secretário-geral da ONU, que foi ontem agraciado com o Grande Colar da Ordem da Liberdade, efectuou hoje uma visita secreta às instalações do Hexágono, acompanhado pelo Ministro dos Negócios Estrangeiros Freitas do Amaral. Recorde-se que Kofi Annan (codename: "Café Anão") é tido em alta conta pelos altos dirigentes da nossa organização por nos ter beneficiado no programa "Petróleo por Alimentos". "Café Anão" reuniu-se com os nossos líderes a fim de ficar a par das intenções do Hexágono em relação ao Irão, à Coreia do Norte e à reconstrução do Iraque.

"Café Anão" assegurou novamente de que tudo fará para ajudar a atingir os objectivos da nossa organização, tendo sido agraciado com o título de "Par Honorário do Hexágono".

11.10.05

Bush e o Divino

Desde que os EUA se tornaram uma potência mundial que o controlo do presidente daquele país é a chave para o sucesso das organizações secretas. De facto, os inquilinos da Casa Branca não passam de marionetas na geopolítica mundial. Já são tradicionais as justificações de natureza divina em acções de política externa. Recordemos os 14 pontos de paz de Wilson na 1ª Guerra Mundial que o então presidente disse terem-lhe sido revelados por Deus e que culminaram na maior negociata da primeira metade do século XX (o Tratado de Versalhes).

Obviamente que Wilson foi manipulado por uma organização secreta que detinha interesses no Médio Oriente, no Norte de África e na Alemanha. Foi o mesmo que se passou agora com Bush. O Hexágono teve um papel determinante no início da Guerra do Iraque (para consolidar interesses que mais tarde explicarei) e coagiu a administração Bush, que não pode admitir este facto. Assim sendo, quando os argumentos secaram, Bush teve que afirmar: "Deus disse-me para invadir o Iraque". Não é o argumento mais convicente, mas é o que se pode arranjar e, pelo menos, não comprometeu a existência da nossa organização.

10.10.05

Nobel da Paz

A notícia de que o Dr. Mohamed ElBaradei foi galardoado com o prémio nobel da paz acolheu apreensão junto dos altos dirigentes do Hexágono. Apesar do egípicio, que lidera a AIEA, se esforçar por acabar com a proliferação de armas nucleares em países não democratizados, tem, concomitantemente, feito pressões sobre os países ditos democráticos para controlarem os seus arsenais nucleares. Tal atitude não interessa ao Hexágono, visto que a nossa organização apenas controla os países democratizados. A missão de colocar um homem, que fechasse os olhos aos arsenais dos países democratizados, na liderança da AIEA fracassou, e terão de ser tomadas medidas para controlar a ameaça ElBaradei. Recorde-se ainda que o egípcio tudo fez para evitar a guerra no Iraque, a qual a organização se esforçou por despoletar.
Assim sendo, ElBaradei é persona non grata no Hexágono, visto que não favorece os intentos da organização.

9.10.05

Operação Tempestade nas Autárquicas: sucesso

Os altos dirigentes do Hexágono chegaram à conclusão que a operação traçada para as autárquicas foi um sucesso quase absoluto. Conseguimos atingir os objectivos a que nos propusemos. Há que congratular os nossos agentes Fátima Felgueiras ("Double F"), Isaltino Morais ("Bórgia") e Valentim Loureiro ("I'm feeling very Valentino"). De realçar o falhanço de Ferreira Torres ("Finantial Times"), que comprometeu o seu futuro na nossa organização.

Palancas Negras no Mundial

O Hexágono negociou um acordo com Angola. A nossa organização garantiu a presença da selecção angolana de futebol no Mundial da Alemanha (através de jogadas de bastidores), em troca de 20% da produção de diamantes e 25% da produção de petróleo daquele país. Os países que ainda estiverem interessados em participar no Mundial da Alemanha podem contactar-nos.

7.10.05

Reunião de Emergência no Hexágono

Os responsáveis do Hexágono convocaram uma reunião de emergência, visto que há fortes suspeitas de que uma outra organização secreta se tenha imiscuido na campanha das autárquicas. As suspeitas fundam-se no facto dos falsos panfletos da candidatura de Carmona Rodrigues terem sido produzidos por uma organização rival e não identificada. Receia-se que exista uma possível ameaça à nossa hegemonia. Depois de termos liquidado toda a influência da maçonaria, é possível que tenhamos de pegar novamente em armas.

Avelino e Amarante

O nosso agente Avelino Ferreira Torres (nome de código Finantial Times) não pode fracassar na sua missão em Amarante. A organização dotou "FT" de toda a logística necessária para um desempenho bem sucedido, incluindo um helicóptero, mil varinhas mágicas e 325734,21€. Se "FT" falhar irá passar o resto da sua vida numa quinta para os lados de Benavente.

Felgueiras

Temos que congrantular a nossa agente Fátima Felgueiras (nome de código "Double F") pelo seu notável desempenho na operação "Tempestade nas autárquicas". Esta agente encarna em si todos os ideais da organização. Preparou a sua operação com dois anos de antecedência, com uma precisão maquiavélica, não tendo um único deslize no estratagema complexo que montou para concretizar o seu objectivo - o controlo da Câmara Municipal de Felgueiras.
Nos corredores do Hexágono fala-se de uma possível promoção para "Double F" em 2011.

Oeiras

É fundamental para a organização que Isaltino vença a câmara de Oeiras. Este é um agente do Hexágono (nome de código "Bórgia"). Bórgia teve um papel fundamental no financiamento da nossa causa, sendo o responsável por algumas das nossas contas na Suíça. No entanto, "Bórgia" fracassou quando foi Ministro do Ambiente, visto que a missão "Charuto incinerado" não teve sucesso. O objectivo daquela missão era permitir à organização fazer experiências com armas químicas no Gerês e na Arrábida, o que não se veio a concretizar devido à incompetência governativa de "Bórgia".
A missão de Isaltino na operação "Tempestade nas autárquicas" é reassegurar o controlo do município de Oeiras, com o intuito de criar campos de golfe e construir uma mega-marina para os nossos altos dirigentes. Se "Bórgia" fracassar, será irradiado da organização e terá o seu futuro comprometido.

Operação Tempestade nas Autárquicas

Dia 9 de Outubro irá terminar a nossa operação especial "Tempestade nas autarquias". Até ao momento os nossos agentes têm feito um trabalho irrepreensível. Os principais objectivos da missão são: colocar pessoas de idoneidade dúbia à frente das autarquias e descredibilizar ainda mais a classe política. Desta forma, poderemos controlar micro-espaços onde a organização possa operar ainda mais livremente, e, em simultâneo, anestesiar a intervenção política dos cidadãos. Para além disto, se a missão for bem sucedida (como tudo indica que seja) poderemos arranjar mais financiamentos para a organização através de negócios ligados à construção civil e ao futebol. Conhecem forma melhor de branquear capitais?

Explicação geopolítica para a localização do Hexágono

Sei que os poucos indivíduos que têm conhecimento da nossa organização se perguntam por que é que esta tem a sua sede num país do terceiro mundo à beira mar plantado. Sei também que não sabem o motivo pelo qual operamos de forma tão interventiva em Portugal. A resposta é simples: é muito mais fácil para a nossa organização conseguir os seus objectivos num país dominado pela corrupção, onde os órgãos de justiça não funcionam, onde as forças de segurança não têm meios e onde os políticos são tão inteligentes como um jogador de futebol americano.

Hexágono

O hexágono é um edifício onde realmente se tomam as decisões que regem o mundo. A localização é estritamente confidencial. Só podemos adiantar que fica localizado algures num rectângulo à beira mar plantado.